Thursday, May 03, 2007

Sobre botas sujas de terra vermelha

Juvenar, juvenar vem tirar o leite. São 6hs da manhã....

Nunca pensei que fosse acordar com mugidos de vaca às 6hs da madruga. Nunca pensei que fosse abrir a porta do quarto e dar de cara com um pasto (dormimos numa fazenda).Nunca pensei que fosse acordar assim e gostar. E nunca pensei que fosse ver tanto canavial, que fosse passar a mão em cavalos, vacas, boizinhos lindos.

Eu que nasci e passei parte da minha vida em São Paulo, achava que o contato maior que teria com esse meio rural seria ver umas galinhas nas chácaras de Sumaré. Mas acontece que passei os últimos dias na Agrishow, uma feira internacional de agronegócios que acontece anualmente na cidade de Ribeirão Preto. A Apta, lugar que eu trabalho participa desta feira.

Ribeirão é uma cidade linda, uma cidade média como outra qualquer, mas com um diferencial. Ela cheira a cana-de-açúcar. Aliás, eu nunca vi tanta cana-de-açúcar na minha vida. Adorei a cidade e moraria lá, sem nenhum problema!... Tudo bem que eu teria que viver passando filtro solar fator 497 e teria que agüentar aquela poeira de terra vermelha.... Mas mesmo assim, moraria lá felizona!!

E foram três dias de pleno aprendizado. Em primeiro lugar, porque minha chefe me deu uma aula prática de Assessoria de Imprensa que deixou as aulas da Ciça no chinelo. Aprendi também que uma boa sala de imprensa dá regalias como ar condicionado, computadores, comidinha, petiscos, telefone e uma série de agrados para os jornalistas.

Fora que aprendi que a vaca é o animal que tem o melhor hálito do mundo, porque ela é herbívora. Também aprendi que se você não cuida do umbigo da vaquinha quando ela nasce, ela se desenvolve com um calombo. Como se tivesse o umbigo pra fora, sabe?

Ah, também aprendi que não se lava o filtro de café com detergente. Sabe aquele filtro de redinha de plástico transparente? Então rapaz, o diretor aqui da empresa disse que não se deve lavar aquilo com sabão porque pode influenciar no gosto do café que depois alguém possa fazer. Eu não sabia.

Não sabia também que Marrã é o nome dado pra porcas que não deram cria, que tem uma raça de gado chamada Gir e Jersey e que o filhote de boi é garrote, uma coisa assim..eu acho. Coisas da roça. Eu gostei de mergulhar, temporariamente....

Múuuuu....

8 comments:

Kamilla said...

Eh, Ribeirão parece ser legal.
TOrça pra eu passar na Usp de lá!
aAHhhHHahAHahaHAhhaHAha

=*

kleine kaugummi said...

Adorei o post com jeitinho de coisas simples,
com cheirinho de café sem detergente
e cheirinhode hálito de vaquinha.

Amei e fiquei com vontade de abraçar vaquinha malhada !!!

^^

lagaltixinha said...

gostei. ^^

e se tu gosta de ribeirão, experimenta ir, qualquer dia, pra tatuí. =p

^^

;*, dona...

posso voltar qualquer dia?!

A Mocinha da Masmorra said...

coisas simples são sempre tão lindas quando se sabe apreciar...quanta vida!
:*

yara b . said...

quer coisa melhor que as coisas simples da vida?

=***

Pri Tescaro said...

Mas não foram apenas coisas simples, foi muita ralação, sobe na AI, desce pro stand, corre pra fazer a foto que faltou. Vida de jornalista em eventos é sempre bem agitada.

Você se saiu muito bem, guria. Está no caminho e na profissão ideal para ser uma jornalista para dar orgulho pra "chefa" aqui. Vou sentir falta, mas sei que o trabalho estará em ótimas mãos.

Claudia Lis said...

Minha menininha!!!

Nossa, quanta coisa aprendi com seu texto!
Muita informação e das boas viu!
As imagens também dão tanta força ao conteúdo.
Logo no início, quando você fala em fazenda, me lembro de uma experiência horrível.
Quando eu era pequena sonhava em ir a uma fazenda, ate que fui com uns 17 anos.
Foi uma droga, pq resolveram caçar passarinhos. Daí eu só fiz chorar p/ burro!
Foi um dia horroroso! Mas que bom que a sua fazendinha foi feliz! =)
Olha, obrigada pelo seu comentário no meu LIS'UPGRADE.
Foi muito importante e lindo!

Milhares de Beijos

Lais Mouriê said...

Ai! que delicia de viagem, minha flor! Ver e ouvir vaquinhas mugindo, faz tanto tempo que não tenho esta experiência! Seu texto me transportou à infância!!!!!!

Gosto tanto tanto deste lugarzinho mágico da menina de Lah.... tanto!